201802.02
Fora
0

Brasil adere a tratado da OIT que protege trabalhadores domésticos.

O Brasil depositou o instrumento de ratificação da convenção que estabelece regras para o trabalho doméstico e que irá beneficiar 7 milhões de pessoas no País.

O tratado foi assinado na Organização Internacional do Trabalho (OIT) em 2011. Mas, com a ratificação do Brasil em dezembro de 2017 e sua entrega, nesta semana, à sede da entidade em Genebra, apenas 25 países internalizaram as leis estabelecidas em âmbito internacional.

Para a OIT, porém, a ratificação do Brasil era significativa. O País tem o maior número de trabalhadores domésticos do mundo.

“Entretanto, até recentemente, trabalhadores domésticos eram excluídos de certas proteções da lei nacional trabalhista”, indicou a agência internacional em um comunicado emitido em Genebra. “Além disso, a maioria dos trabalhadores são mulheres, indígenas e pessoas de descendência africana”, apontou.

Na avaliação da OIT, a ratificação da Convenção 189 “representa um passo importante no apoio de uma série de medidas que o governo tem tomado para garantir a proteção fundamental dos trabalhadores domésticos”.

Isso incluiu uma emenda constitucional em 2013 estabelecendo um máximo de 44 horas de trabalho por semana, a proibição em 2015 de trabalhadores menores de 18 anos e o máximo de oito horas por dia de trabalho. A lei ainda estabelece o direito de férias pagas, compensações e acesso à segurança social.

“Essa ratificação mostra nosso compromisso contínuo com os direitos dos mais vulneráveis, trabalho descente e respeito profundo por direitos sociais”, declarou Maria Nazareth Farani Azevedo, a embaixadora do Brasil na ONU.

“Trata-se de um passo importante para reconhecer o papel dos trabalhadores domésticos na economia moderna”, insistiu a diplomata. Sua esperança é de que, com a convenção, seja fortalecido o esforço por uma igualdade de renda entre homens e mulheres.

O gesto brasileiro foi comemorado pelo diretor-geral da OIT, Guy Ryder. “O objetivo da convenção é o de melhorar as condições de trabalho e de vida de milhões de pessoas pelo mundo, garantindo a elas um trabalho decente que as deem proteções equivalente ao que outros trabalhadores já têm”, disse.

Ryder apontou que os trabalhadores domésticos estão entre os mais precários e pior remunerados do mundo. “Eles frequentemente trabalham em condições de informalidade, sem direitos básicos, direito a descanso e salários mínimos que os permitam atender necessidades básicas e tenham proteção social”, alertou.

“A decisão do Brasil de ratificar a convenção 189 confirma que ela vai ampliar os direitos básicos para todos os trabalhadores e fortalecer medidas já tomadas em âmbito nacional”, completou.

Fonte: O Estado de São Paulo, por Jamil Chade, 01.02.2018

Os artigos reproduzidos neste clipping de notícias são, tanto no conteúdo quanto na forma, de inteira responsabilidade de seus autores. Não traduzem, por isso mesmo, a opinião legal de Granadeiro Guimarães Advogados.