16
julho
2015
Clipping, Tribunais,

Reconhecida justa causa de empregado que indicava colegas aos interessados em comprar peças roubadas.

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho entendeu caracterizada a dispensa por justa causa de um empregado da Itabuna Têxtil S.A. (Trifil) por quebra de confiança. Embora não tenha admitido a participação em furtos de produtos da empresa, ele disse, em depoimento a autoridade policial, que sabia quem praticava o crime e indicava esses colegas aos interessados em comprar as peças roubadas.

O juízo de primeiro grau, com base nos documentos do procedimento policial e depoimentos de testemunhas apresentadas pela empresa, entendeu provada a conduta prevista no artigo 482, alínea “a” da CLT, que se traduz, em geral, na prática de atos atentatórios ao patrimônio da empregadora. O Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região (BA), porém, converteu a dispensa em imotivada. Para o TRT, o inquérito policial, por ser uma peça informativa de caráter inquisitório, onde não são observados os princípios constitucionais do contraditório e da ampla defesa, não podia ser aceito como prova incontestável.

No recurso ao TST, a Trifil argumentou que as provas produzidas nos autos do processo eram “incontestáveis”. A empresa alegou que houve inquérito policial para averiguar o furto da mercadoria, e que o empregado teria sido flagrado pelos policiais, “que prestaram depoimento sob juramento”.

TST

O relator do recurso da empresa ao TST, ministro Alexandre Agra Belmonte, considerou evidente a participação do empregado demitido no movimento de agressão ao patrimônio da empregadora, “demonstrando deslealdade para com seu patrão”. No inquérito, um investigado declarou que há sete meses vinha comprando peças íntimas “subtraídas por empregados da Trifil”, inclusive do demitido por justa causa.

Ainda conforme o relatório policial, o trabalhador, ao ser interrogado, negou a participação nos furtos, mas admitiu que indicava aos interessados os empregados que assim procediam. Segundo o relator, ter conhecimento de furtos praticados por colegas e manter-se em silêncio e, além disso, indicar terceiros para comprar os produtos furtados “demonstra que o empregado rompeu com o laço de confiança necessário para a manutenção no emprego”. A aplicação da justa causa, assim, estaria fundamentada em ato de improbidade, mau procedimento, participação em negociação habitual, concorrência à empresa para a qual trabalha e prejuízo ao serviço.

A decisão foi unânime.

( RR-359-10.2010.5.05.0462 )

Fonte: Tribunal Superior do Trabalho, por Lourdes Tavares, 16.07.2015

Compartilhe
Comentários

Calendário

julho 2015
S T Q Q S S D
« jun   ago »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Acompanhe no facebook