201712.07
Fora
0

STF julgará processo de 1998 sobre contrato por prazo determinado.

Após quase 20 anos, o Supremo Tribunal Federal (STF) deve concluir o julgamento de uma medida cautelar em uma ação que trata da validade da Lei nº 9.601, de 1998, que disciplinou o contrato por prazo determinado. Será a primeira vez que os ministros julgarão processo trabalhista desde a entrada em vigor da reforma. Advogados acreditam, porém, que a reforma não deve ser abordada dessa vez.

A constitucionalidade da Lei nº 9.601 é questionada na ação direta de inconstitucionalidade (Adin) 1.764, proposta pelo PT, PDT e PC do B. É o último item da pauta de hoje. A norma alargou as possibilidades para convenções e acordos coletivos de trabalho instituírem contratos de trabalho por prazo determinado para qualquer atividade desenvolvida pelas empresas, desde que representasse acréscimo no número de empregados.

A lei afastou as limitações previstas na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) para essas contratações. A norma restringia o prazo determinado a contratos de experiência, atividades empresariais de caráter transitório e serviços cuja natureza justificasse a pré-determinação de prazo.

Na Adin, os partidos alegam que a lei fere o princípio da igualdade ao tratar de forma diferenciada trabalhadores em situação idêntica. Haveria ainda ofensa ao princípio da continuidade do vínculo empregatício.

O Supremo começou a julgar a medida cautelar em 1998. Na ocasião, o relator, ministro Sydney Sanches (aposentado) negou o pedido. Na sequência, o ministro Nelson Jobim pediu vista. Depois da aposentadoria de Jobim, o processo foi redistribuído à ministra Cármen Lúcia. Em 2015, a atual presidente da Corte liberou o voto para retomada do julgamento.

O STF deve se limitar à situação existente na época da ação, segundo André Villac Polinésio, sócio do Peixoto e Cury Advogados, que representa empresas, prioritariamente, em ações trabalhistas. “O julgamento vai definir se a situação era constitucional naquele momento”, afirma.

Segundo Polinésio, os ministros vão discutir se o acordo coletivo pode levar à existência de trabalhadores com direitos diferentes na mesma empresa.

A reforma trabalhista não trata de qualquer dispositivo da Lei 9.601, segundo o advogado Ricardo Carneiro, do LBS Advogados, que representa trabalhadores. O advogado José Eymard Loguercio, do mesmo escritório, afirma que, pelo tempo de silêncio do STF sobre o assunto, não parece que ele possa, agora, avançar sobre questões da reforma que partem de outras premissas.

O julgamento da Adin não vai representar uma tendência do STF para futuros julgamentos sobre a reforma, segundo Carneiro. Já há ações sobre a questão na Corte, mas ainda não foram pautadas.

Fonte: Valor Econômico, por Beatriz Olivon, 07.12.2017

Os artigos reproduzidos neste clipping de notícias são, tanto no conteúdo quanto na forma, de inteira responsabilidade de seus autores. Não traduzem, por isso mesmo, a opinião legal de Granadeiro Guimarães Advogados.