201710.24
Fora
0

Gestão de pessoas faz diferença para sucesso de startups, diz estudo.

No setor de tecnologia, o sucesso de uma startup é muitas vezes atribuído apenas a uma grande ideia inovadora ou à mente “genial” do fundador. Um novo estudo de professores americanos, no entanto, aponta para outro fator que pode garantir o futuro desse tipo de empresa: a gestão de pessoas.

Realizada por professores das universidades de Stanford, Harvard e Duke, a pesquisa analisou 100 pequenas empresas indianas de software com alto crescimento. Os resultados apontam que as startups nas quais os fundadores dedicavam mais tempo à gestão dos funcionários conseguiram obter resultados financeiros melhores.

Para os autores, fundadores de startups muitas vezes priorizam lidar com desafios de mercado ou de tecnologia, e acabam deixando aspectos da gestão de pessoas, considerados mais “mundanos”, em segundo plano. Mas o estudo aponta que essas empresas conseguem reter mais profissionais e obter desempenho melhor quando os fundadores se envolvem mais na gestão. Isso inclui definir expectativas claras para os funcionários, acompanhar seu progresso nesses objetivos e dar avaliações constantes do trabalho sendo realizado.

“É preciso focar a parte estratégica de gerir pessoas para garantir que os funcionários estão trabalhando nas tarefas corretas, recebendo o feedback que precisam e que estão felizes naquela empresa, para que eles não queiram sair dela”, diz Rembrand Koning, professor da Harvard Business School e um dos coautores do estudo.

Para ele, esse aspecto é especialmente importante em startups de tecnologia, onde a retenção de profissionais altamente qualificados é uma preocupação constante. O estudo também demonstrou que essa abordagem pode ser aprendida com o tempo, e que a troca de experiências e conhecimento entre fundadores de startups ajuda nesse processo.

Fonte: Valor Econômico, por Letícia Arcoverde, 24.10.2017

Os artigos reproduzidos neste clipping de notícias são, tanto no conteúdo quanto na forma, de inteira responsabilidade de seus autores. Não traduzem, por isso mesmo, a opinião legal de Granadeiro Guimarães Advogados.