21
agosto
2015
Clipping, Notícias,

Reoneração da folha de pagamento piora crise, dizem empresas.

A aprovação no Senado do projeto de lei que reduz a desoneração da folha de pagamento gerou insatisfação entre os empresários afetados pela medida.

“É uma barbaridade o nosso setor estar sendo castigado dessa forma”, afirmou José Romeu Ferraz Neto, presidente do Sinduscon-SP (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado).

Hoje, as empresas do setor pagam uma alíquota de 2% sobre o faturamento. Com a nova lei, essa taxação sobe para 4,5%.

“A construção civil já tinha uma das maiores alíquotas e ainda sofremos um aumento de 125%”, afirmou Ferraz Neto.

“As empresas já têm sido bastante prejudicadas pela crise. Agora, a situação vai ficar ainda mais pavorosa.” O setor prevê corte de 475 mil vagas de emprego neste ano.

Entre as empresas de vestuário, a nova taxação deve elevar o número de demissões no setor, que sofre com custos maiores e vendas em queda, afirmou o presidente do Sindivestuário, Ronald Masijah.

“A previsão era de demissão de 60 mil pessoas em um ano, isso com 1% de alíquota. Com 1,5%, a expectativa é que esse número aumente em progressão geométrica.”

“Nós não queríamos reoneração nenhuma. Em um cenário de aumento de custos de toda ordem —energia, combustível, juros e salários mais altos—, é um momento absolutamente inadequado”, disse Fernando Pimentel, da Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção).

Parte dos 56 setores antes beneficiados pela desoneração tentava negociar com o governo uma proposta de aumento de 50% na alíquota de todas as empresas.

Masijah esteve em Brasília na quarta (19) para defender a proposta em reunião com os presidentes da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

“Mas se o Senado votasse a favor dessa sugestão, o projeto teria de ser votado de novo na Câmara, e o governo fez pressão para agilizar o processo [de aprovação]”, afirmou.

O setor de confecções foi um dos beneficiados por um aumento menor da alíquota, de 1% para 1,5%. Ele disse, no entanto, não ter confiança de que a lei será sancionada pela presidente Dilma Rousseff como está.

“Agora estamos sujeitos ao bom humor da presidente, para saber se ela vai aceitar o 1,5%, mas ela está sinalizando que não vai”, disse.

Pimentel, da Abit, foi mais otimista sobre a sanção de Dilma ao projeto de lei: “Temos plena confiança de que a presidente vai aprovar. Se o Congresso aprovou, não tem por que ela rejeitar.”

Fonte: Folha de São Paulo, por Giuliana Vallone, 21.08.2015

Compartilhe
Comentários

Calendário

agosto 2015
S T Q Q S S D
« jul   set »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Acompanhe no facebook