10
maio
2016
Clipping, Mídia,

Ética faz bem à saúde.

E o que episódios como os da La Linea Scandal, na Guatemala, da SAP International Inc., no Panamá, do Caso Carrusel, na Colômbia, e a Operação Lava-Jato, no Brasil, e tantos outros que não param de surgir nos levam a concluir? Que a América Latina tem uma cultura de corrupção inegável? Não. Definitivamente não tem. Corrupção não é uma questão de cultura, mas, como muito bem definiu Cláudio Weber Abramo, diretor-executivo da Transparência Brasil, citado por Roberto Livianu em seu livro sobre o tema, “a consideração predominante (sobre a corrupção) é econômica e não moral” (in Livianu, Roberto. Corrupção. Ed. Quatier Latin. 2014. pág. 11).

A meu ver, a corrupção floresce onde reina a certeza da impunidade e as instituições estão enfraquecidas. Isso significa que o conjunto formado pelas “oportunidades” e a crença no baixo risco de punição é que compõe o cenário propício e incentivador para as más práticas. E foi, exatamente, essa a aposta daqueles envolvidos nos casos aqui citados e em tantos outros de que temos notícia.

E, nesse cenário, somente uma área de compliance independente, bem estruturada, capitaneada por profissionais atuantes, experientes e com excelente formação é capaz de mitigar o risco de exposição das empresas e executivos que fazem negócios em ambientes mais tolerantes com a corrupção. Isso porque somente por meio de um programa de compliance ágil e eficaz, criado para prevenir, detectar e reagir com o necessário rigor às práticas em desacordo com os valores éticos da organização para a qual foi criado, voltado à conscientização constante dos seus colaboradores, parceiros e fornecedores é possível fomentar uma cultura negocial saudável nas organizações e incentivar o abandono de toda e qualquer prática empresarial condenável. Programas de conformidade globais são padronizados. Mas a maneira como eles são implementados em cada país, em cada região, deve levar em consideração a cultura local, a fim de compreender como desconstruir valores regionais que são usados para tolerar práticas eticamente equivocadas e incutir conceitos totalmente novos, disseminando uma cultura mais saudável, em linha com os valores éticos globais. O que o que não é aceitável na Europa ou na América do Norte, também, não é tolerável na América Latina, na África ou na Ásia. Não é possível ter critérios diferentes para lidar com as mesmas questões em diferentes países. Em matéria de compliance, coerência é fundamental para a credibilidade do programa. Afinal, princípios são princípios, e não é possível flexibilizá-los para justificar a aceitação do inaceitável, usando como desculpa as práticas equivocadas de mercado de um ou outro país.

Quando se conduz os negócios com integridade o resultado é muito simples: colaboradores orgulhosos da empresa em que trabalham e, por óbvio, mais motivados, imagem corporativa reforçada, gerando a valorização da marca, clientes fidelizados e um mercado de atuação mais saudável. A opção pela conformidade não é só a evidência do compromisso empresarial de fazer o que é certo, mas é, sobretudo, um investimento de longo prazo na solidez da imagem e da reputação de uma empresa.

(*)Daniele Pimenta de Mello Bittencourt Lopes é Compliance Officer e Diretora Jurídica e de Compliance da B. Braun.

Fonte: Você RH, por Daniele Pimenta de Mello Bittencourt Lopes (*), 04.05.2016

Os artigos reproduzidos neste clipping de notícias são, tanto no conteúdo quanto na forma, de inteira responsabilidade de seus autores. Não traduzem, por isso mesmo, a opinião legal de Granadeiro Guimarães Advogados.

Compartilhe
Comentários

Calendário

maio 2016
S T Q Q S S D
« abr   jun »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Acompanhe no facebook