201711.08
Fora
0

Negado pedido de reconhecimento de vínculo empregatício entre segurança e prostíbulo.

Um empregado ajuizou uma reclamação trabalhista pleiteando reconhecimento do vínculo empregatício com um prostíbulo, onde, segundo ele, exercera a função de segurança durante nove anos. De outro lado, a empresa negou a prestação de serviços por parte do empregado e disse ainda que ele era cliente do estabelecimento e por vezes tumultuava a casa.

Ao analisar a prova oral colhida em audiência, o Juízo de 1º grau entendeu que o depoimento das testemunhas do empregado não foi convincente, “especialmente considerando as contrariedades apresentadas” entre as declarações e o depoimento pessoal do segurança, “além dos exageros cometidos pelo reclamante em depoimento pessoal”.

Apontou ainda que as testemunhas do estabelecimento foram convincentes ao afirmar que desconhecem o segurança e que nunca o viram no prostíbulo.

Assim, o Juízo considerou que, independentemente de se adentrar ao mérito se a atividade, tanto do estabelecimento quanto do trabalhador, era lícita ou não, o prostíbulo negou a prestação de serviços, de modo que o ônus da prova era do segurança, do qual ele não se desincumbiu.

Inconformado com a decisão e pretendendo a reforma da sentença que julgara os pedidos improcedentes, o empregado interpôs recurso ordinário.

No acórdão, de relatoria da desembargadora Sônia Gindro, os magistrados destacaram que, à medida que o estabelecimento tem natureza absolutamente ilícita, em total afronta à lei, enquadrado nas hipóteses dos art. 229 e 230, ambos do Código Penal Brasileiro, não seria possível nenhuma espécie de vínculo. Ou seja, o contrato é nulo de pleno direito desde a contratação.

“Segundo se entende, toda a atividade ali desenvolvida, ainda que remotamente ligada à atividade-fim, se apresenta da mesma forma ilícita, vez que remunerada através de recursos obtidos com a realização de atividade contrária à legislação, não podendo o Direito do Trabalho acolher a prestação de serviços como legítima.”
Assim, a 10ª Turma concluiu que nada há para ser deferido na reclamação, mantendo assim a sentença (decisão de 1º grau). Ainda, diante da constatação da real atividade desenvolvida na reclamada, determinou a expedição de ofícios ao Ministério Público Estadual e do Trabalho para que tomem as providências que o caso requer.

(1001162-09.2016.5.02.0022)

Fonte: Tribunal Regional do Trabalho 2ª Região São Paulo, por Silvana Costa Moreira, 08.11.2017

Os artigos reproduzidos neste clipping de notícias são, tanto no conteúdo quanto na forma, de inteira responsabilidade de seus autores. Não traduzem, por isso mesmo, a opinião legal de Granadeiro Guimarães Advogados.