10
junho
2015
Clipping, Jurisprudência,

Frigorífico é condenado por dificultar saída de empregada que iria fazer prova do Enem.

A JBS deverá indenizar em 10 mil reais uma ex-empregada que teve sua saída do serviço para participar do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) dificultada por seu superior. A condenação foi imposta pela 1ª Turma do TRT de Mato Grosso.

Conforme a decisão, publicada na semana passada, o responsável pelo setor de abate de uma das unidades da empresa localizada no município de Rondonópolis (217 km ao sul de Cuiabá), teria atrasado a saída de uma de suas funcionárias, que precisou chamar a polícia para conseguir ser liberada.

Segundo contou a testemunha ouvida pela Justiça – que trabalhava como porteiro à época do ocorrido –, a ordem recebida era para que a trabalhadora fosse liberada somente uma hora mais tarde que todos os demais empregados inscritos no exame.

A versão contada pela trabalhadora e ratificada no testemunho do porteiro foi confirmada no termo circunstanciado de ocorrência produzido pela polícia.

Dano moral

A ação foi inicialmente analisada pela 2ª Vara do Trabalho do município. Na sentença, a juíza Cassandra Passos condenou a empresa a pagar 25 mil reais a título de indenização por danos morais, valor este modificado posteriormente no Tribunal. Segundo a magistrada, nos dias atuais “não mais se admite o desrespeito gratuito aos direitos personalíssimos e da dignidade do trabalhador, nem mesmo em troca do progresso material de uma nação”.

Para o desembargador Osmair Couto, relator do processo na 1ª Turma do TRT/MT, a conduta praticada pelo superior cerceou a liberdade de locomoção e de autodeterminação da trabalhadora, ferindo sua dignidade.

Conforme destacou, é natural, mas não desejável, que existam conflitos entre empregador e empregado no ambiente de trabalho. Todavia, a partir do momento em que um determinado conflito “descamba para além da razoabilidade do comportamento ético que se espera dentro de uma relação contratual de emprego”, surge o ato ilícito que dá motivo à responsabilidade civil.

“No presente caso, o ato praticado pela Ré, por meio do seu preposto, (…) extrapolou o padrão mínimo de comportamento que deve viger entre os sujeitos da relação de emprego”, asseverou o desembargador, cujo foi seguido por unanimidade pelos demais integrantes da 1ª Turma.

O valor da condenação, todavia, foi reduzido pelos desembargadores com base em condenações semelhantes já aplicadas pelo Tribunal e considerando a gravidade do dano e o potencial econômico da empresa.

( 0000916-16.2014.5.23.0022 )

Fonte: Tribunal Regional do Trabalho 23ª Região Mato Grosso, por Zequias Nobre, 08.06.2015

Compartilhe
Comentários

Calendário

junho 2015
S T Q Q S S D
« maio   jul »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

Acompanhe no facebook