23
março
2020
Clipping, Mídia,

Fundador da XP pede Plano Marshall contra coronavírus

Em conferência com presidente da Caixa, Guilherme Benchimol diz que governo deve ter medidas econômicas para impedir caos social no Brasil

O fundador da XP Investimentos, Guilherme Benchimol, disse neste domingo (22) que o governo brasileiro precisa de um Plano Marshall para evitar que o país enfrente uma situação de caos social gerado por desemprego durante o enfrentamento à pandemia do novo coronavírus.

O plano conhecido como Marshall foi conjunto de medidas para a reconstrução da Europa depois da Segunda Guerra Mundial. No sábado, a OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) disse que a crise do coronavírus exige um novo plano do tipo.

Em videoconferência com a participação do presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, Benchimol considerou não ser improvável que o Brasil chegue a 40 milhões de desempregados até o fim do segundo trimestre.

Ele citou a previsão apresentada neste domingo à agência Bloomberg por James Bullard, do Fed de St. Louis, de que a taxa de desemprego nos Estados Unidos poderá chegar a 30% em meio à paralisação da atividade econômica.

Apresentado como interlocutor da equipe econômica, o presidente da Caixa foi mais de uma vez cobrado de um plano mais estruturado de incentivos e crédito que possam garantir fluxo de caixa às empresas e evitar o empobrecimento das parcelas mais vulneráveis da população, mas não se comprometeu e disse que passaria à equipe do ministro Paulo Guedes as questões levantadas.

Guimarães afirmou que deverá apresentar novas medidas de estímulo à economia nesta semana. Entre as propostas, ele apontou novas reduções de juros em linhas de crédito mais caras, como cheque especial, e no aumento do prazo para pagamentos de financiamentos contratados com o banco.

O presidente da Caixa disse mais de uma vez que o banco certamente ampliará o prazo para os pagamentos de funcionamentos. Segundo ele, as parcelas cujos pagamentos forem prorrogados serão incorporadas ao saldo devedor, evitando assim que, em alguns meses, o devedor tenha que pagar duas parcelas ao mesmo tempo.

“Vamos apoiar a economia brasileira. Temos um volume de caixa muito grande e vamos injetar dinheiro na economia de maneira direta e indireta”, disse.

A necessidade de um novo Marshall foi mencionado mais de uma vez pelos participantes da reunião virtual.

Além de Benchimol, estavam na conversa Benjamin Steinbruch, da CSN (Companhia Siderúrgica Nacional), Wilson Ferreira Júnior, da Eletrobras, Rubens Menin, da MRV e da CNN Brasil, André Street, da Stone, e Marcos Ross e Rafael Furlanetti, da XP.

Ross, economista da XP, disse considerar que há espaço para o governo atuar por meio de política fiscal. Ações de ajuste na política monetária, como a redução nos juros, serão insuficientes, segundo o analista.

Para ele, há a necessidade de “se alavancar em dívida” e “despejar dinheiro para as faixas mais vulneráveis”. Durante a videoconferência​, o economista da XP também endereçou ao presidente da Caixa um pedido por menos burocracias.

“Meu entendimento é de estamos caminhando na direção correta, mas, nesse momento, a gente não pode burocratizar para [o cidadão] pegar dinheiro”, disse. “E eventualmente parte desse dinheiro vem a fundo perdido”.

Para Steinbruch, da CSN, a Caixa deve avaliar a necessidade de oferecer capital para as pequenas e médias empresas, especialmente para o pagamento dos salários. O executivo também pediu a prorrogação do prazo para os impostos pagos pelo empresariado.

“O preço para retomar a atividade depois vai ser muito mais custoso. É claro que a questão de saúde é prioridade”, afirmou.

André Street, da Stone, disse que “apesar de defensor absoluto do livre mercado”, também entende que o momento pede atuação do governo para garantir o funcionamento da economia. A empresa colocou R$ 100 milhões em microcrédito disponível aos clientes o que, segundo ele, deve facilitar o enfrentamento do período. O dinheiro emprestado será pago nas vendas futuras.

A videoconferência realizada nesta tarde fez parte de uma série de encontros virtuais realizados pela casa de investimentos com diversos agentes da economia. A diferença entre essa e as demais foi a participação de um integrante do governo -o presidente da Caixa- tratado com um interlocutor junto à equipe econômica do ministro Paulo Guedes.

Empresários cobraram neste domingo maior articulação política do governo federal com prefeitos e governadores, mais tempo para o pagamento de impostos e mais atenção à situação dos micro e pequenos empresários.

A avaliação geral é que diante da quase paralisia da atividade econômica, muitos elos do setor produtivo estão sob risco. Há ainda o imprevisível: não se sabe exatamente por quanto tempo o cenário será crítico. É hora de o governo intervir.

Para Benjamin Steinbruch, presidente da CSN, o momento exige medidas pragmáticas, que possam proteger os mais vulneráveis e garantir a sobrevivência das empresas.

A prorrogação do prazo para o pagamento de impostos e a abertura de uma linha de crédito para que pequenas e médias empresas possam manter a folha de pagamento em dia foram algumas das possibilidades apontadas pelo executivo.

“Vamos ter que conviver com essa onda, mas precisamos dar uma certeza que será possível tocar os negócios. Cada um vai tentar estender os prazos aos seus clientes”, disse. “Estou falando para os clientes que estamos dispostos a suportá-los. A gente vai contribuir também”, afirmou Steinbruch.

O engenheiro Rubens Menin, líder do clã familiar dono MRV, Banco Inter e LOG, e fundador da CNN Brasil, relatou ter recebido informações de pequenos comerciantes, como salões de cabeleireiro, que não terão condições de se manter. “Esse pessoal será dizimado. Eles não têm capital de giro”, diz.

Para o empresário, as medidas de combate ao coronavírus no aspecto da saúde deve ser articulado com o lado econômico. “Se a gente quebrar a cadeia produtiva, não vamos conseguir levantar o país.”

Menin pediu ao governo, por meio do presidente da Caixa, uma melhor sintonia com as prefeituras e governos estaduais em relação às ordens de paralisação total das atividades. “Não podemos nos dar ao luxo de má vontade com prefeitos”, disse.

Para Menin, os postos de controle montados em obras são bons exemplos de que é possível continuar trabalhando.

O diretor da XP, Rafael Furlanetti, que conduzia a conversa, notou que “todos aqui estão pedindo que o governo atue de maneira fiscal mais expansionista”, noção corroborada pelo economista da casa de investimento, Marcos Ross, para quem há espaço para o governo gastar.

O presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Jr, comparou a atual crise com o racionamento de energia, política de economia implantado em 2001 e que exigia das famílias e empresas redução no consumo de energia elétrica.

“Temos que endereçar a perspectiva econômica, precisamos de equilíbrio. Na época do racionamento, não sabíamos quanto tempo ia demorar e acabou em sete meses porque houve um compromisso e 96% dos consumidores cumpriu suas metas de redução”, disse.

Também no domingo, executivos da XP também conversaram por videoconferência com o presidente do conselho do Hospital Israelita Albert Einstein, Cláudio Lottenberg, e João Adibe, do grupo Cimed, a quem ofereceram a criação de uma coalização empresarial para aumentar a compra de ventiladores mecânicos.

A demanda por esse tipo de aparelho é alta, pois o sistema respiratório é o mais comprometido por quem tem o Covid-19.

Diante da pandemia, o consumo o farmacêutico quadruplicou na última semana em São Paulo, de modo que o abastecimento não deu conta da velocidade no aumento. Isso levou a uma revisão das linhas de produção, especialmente dos produtos para prevenção e cuidados paliativos.

Lottenberg, do Einstein, defendeu a atividade da telemedicina e apontou que a falta de regulação impede uma melhor utilização da prática.

Em outra reunião à distância, Flávio Borges Martins, do Grupo Martins (proprietário do atacado de mesmo nome), relatou um aumento de até 25% no volume de compras em relação ao mesmo período do ano passado e uma desaceleração na procura por equipamentos eletrônicos.

Martins descartou o risco de abastecimento. Segundo ele, houve grande engajamento da indústria.

ENTENDA O QUE FOI O PLANO MARSHALL
O Plano Marshall foi uma iniciativa do governo americano para a reconstrução da Europa, destruída pela Segunda Guerra Mundial. Entre 1947 e 1951 foram investidos US$ 13 bilhões (valores da época).

A maciça injeção de recursos em 17 países contribuiu para as elevadas taxas de crescimento registradas no continente nos anos 1950.

Fonte: Folha de São Paulo, por Fernanda Brigatti, 22.03.2020

Os artigos reproduzidos neste clipping de notícias são, tanto no conteúdo quanto na forma, de inteira responsabilidade de seus autores. Não traduzem, por isso mesmo, a opinião legal de Granadeiro Guimarães Advogados.

Compartilhe
Comentários

Calendário

março 2020
S T Q Q S S D
« fev   abr »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Acompanhe no facebook