30
outubro
2019
Clipping, Notícias,

Tendência: 2020 inaugura a década da ‘Flexibilidade Permanente’.

O primeiro ano da terceira década do milênio evidenciará o tom de maleabilidade total no mundo do trabalho.

Com 2020 batendo à porta, começam a pulular pesquisas e análises sobre as tendências que irão afetar o mundo do trabalho no próximo ano – o primeiro da terceira década do milênio. Nenhuma delas, é verdade, chega a ser disruptiva a ponto de reinventar a roda ou trazer alguma novidade acachapante.

Todas revelam, em contrapartida, um caminho sem volta: o da flexibilização. Dos processos, das pessoas, das metodologias, das culturas, das carreiras.

Tamanha elasticidade gerou até um termo, cunhado pela consultoria Mercer, em sua Pesquisa de Tendências de Talentos Globais: “Flexibilidade Permanente” – quando trabalhos flexíveis incorporam um estilo de vida fluido e digital.

A Flexibilidade Permanente envolve “repensar como o trabalho é feito e por quem”, observa a Mercer.

Os anos 2020 nos reservam uma realidade bem mais maleável: o nomadismo digital, os espaços flexíveis (coworkings) e o home office são estratégias adotadas com força por empresas do Brasil e do mundo.

Segundo pesquisa da consultoria com 680 empresas brasileiras, 35% já têm a opção de home office em dias da semana e 62% adotam horários flexíveis.

A razão é simples: as companhias já perceberam que funcionários que deixam de sacrificar horas diárias em congestionamentos, trens e ônibus lotados, ganham em qualidade de vida, autoestima e autoconfiança. E acabam sendo tão ou mais produtivos do que aqueles que estão nos escritórios.

O “equilíbrio entre vida pessoal e profissional” e o “ganha-ganha para empresas e colaboradores”, tão aclamados por aí, só são possíveis quando existe uma vontade genuína de ambas as partes em mudar.

Sabe aquela máxima do casamento, nem sempre cumprida, de que “cada um cede um pouco?”

As empresas cedem em condições dignas de trabalho, ferramentas digitais, comunicação alinhada com o escritório, manutenção do diálogo aberto e interação permanente; e o colaborador faz a sua parte estando presente, focado e decidido a visibilizar o fluxo de trabalho – tornando o processo claro e envolvente para ele e para o empregador.

Novos desafios

O trabalho dos anos 2020 não exigirá apenas boa vontade de ambas as partes, e sim uma nova forma de pensar as empresas. Os desafios passam por interdependência entre as equipes; supervisão de atividades e prioridades; olhar atento às cargas de trabalho; gerenciamento daquilo que não é visto; e alocação de recursos.

E, por fim, por como evitar atritos, aumentar a produtividade, a felicidade e a satisfação do colaborador.

A força de trabalho remota de 2020 estará hiperconectada, comunicando e colaborando a partir de qualquer dispositivo, de qualquer lugar do mundo.

“Trabalhar em casa está no radar dos profissionais há anos. Agora, à medida que a tecnologia se aprimorou e os profissionais buscam flexibilidade, as principais organizações estão incorporando políticas de trabalho remoto em todos os setores”, escrevem os editores do LinkedIn, plataforma que congrega 40 milhões de brasileiros (570 milhões de usuários no mundo) e que divulgou dias atrás dados da pesquisa Censuswide, colhidos de agosto a setembro, entre mais de 2.000 profissionais ativos com idades entre 18 e 74 anos e 1.000 gerentes de contratação, nos Estados Unidos.

“Quase a metade dos profissionais dos Estados Unidos trabalha em casa de vez em quando”, revela o LinkedIn.

E se engana quem pensa que o colaborador remoto produz menos. A Pesquisa Global de Engajamento da ADP, líder global em soluções de Folha de Pagamento e Gestão do Capital Humano (HCM), mostrou que 29% dos trabalhadores virtuais “são totalmente engajados”, contra 18% dos que não trabalham em home office.

Realizado em julho de 2018, o levantamento ouviu 19.346 funcionários, de 19 países, que trabalham em tempo integral ou meio período. E concluiu que os deslocamentos demorados rumo aos escritórios colaboram para o aumento do estresse e acabam restringindo o tempo que poderia ser usado com a família o esporte e o lazer.

Fato é que o modelo de trabalho remoto tem se tornado cada vez mais desejado pelos profissionais e que ambientes flexíveis tendem a atrair melhores talentos também.
Uma via de mão dupla.

Fonte: Época Negócios, por Marc Tawil, 30.10.2019

Os artigos reproduzidos neste clipping de notícias são, tanto no conteúdo quanto na forma, de inteira responsabilidade de seus autores. Não traduzem, por isso mesmo, a opinião legal de Granadeiro Guimarães Advogados.

Compartilhe
Comentários

Calendário

outubro 2019
S T Q Q S S D
« set   nov »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Acompanhe no facebook